domingo, 1 de julho de 2012

morrer de amor

Eis que um garotinho de cinco anos chegou em casa depois da escola. Jogou a mochila em cima do sofá e correu para a cozinha à procura de Mãe. 

 - Mãe - ele perguntou - Amor mata? 

A Mãe virou-se rapidamente para ele, perplexa soltou um sorriso quase nervoso e respondeu: 

 - Não. Por que perguntas isso? 

 - Tem certeza? - Ele insistiu. 

 - Tenho! Ora está duvidando de mim, Menino?

Ele suspirou, fechou os olhinhos e lembrou-se da garota que sentava em sua frente na sala de aula. 

A Menina era tão linda, mais linda que parecia um anjo. Desses que dizem que costumam cair do céu. Em um instante, ele sentiu o coração acelerar. Acelerou tanto que ele achou que a Mãe seria capaz de ver a agitação por dentro de sua camisa. 

Ele colocou a mão no peito, respirou fundo e disse: 

- Então, porque eu estou morrendo? 

- Morrendo de quê, Menino? - perguntou a mulher - quase - aflita. 

- Eu tô morrendo de amor, Mamãe. 

A Mãe sorriu. 

- E ele só tem cinco anos, - ela pensou.

3 comentários: